“Eu amo Trás-os-Montes naquele silêncio das florestas e das estradas afastadas que aguardam ora a neve, ora o pavor do Verão. Amo-o ainda mais quando vejo a cor da terra e a sombra dos seus castelos em ruínas, quando suspeito o fundo dos rios, os recantos junto dos açudes e a altura das árvores. E perco-me desse mal de paixão, quando, de longe, Trás-os-Montes se assemelha vagamente a uma terra prometida aos seus filhos mais distantes, ou mais expulsos, ou mais ignorados, ou mais mortos apenas. E amam-se aquelas árvores porque vêm do interior da terra, justamente, sem invocar a sua antiguidade ou a sua grandiosidade. Ama-se o frio, até, o esplendor das geadas sobre os lameiros, o sabor da comida que nunca perdeu a intensidade nem a razão. E amam-se os rios, os areais, os poços das hortas, as cancelas de madeira que vão perdendo a cor, e talvez se amem o fogo das lareiras, os ramos mais altos dos freixos e das cerejeiras, os jardins abonecados das suas cidades, o granito das casas, o cheiro das aldeias onde ao fim da tarde se chama paz ao silêncio e se dá nome de chuva à água do céu.”
Francisco José Viegas

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Um achado


Fora encontrada uma interessante moeda, (não por mim) quando se iníciaram as obras de pavimentação em pedra das ruas no bairro do campo . É uma curiosa moeda em cobre de X Reis de D. João V , datada de 1738 .

Descrição: Anverso- Escudo Real coroado . Legenda-JOANNES. DEI. GRATIA

Reverso: Coroa de louros: no seu interior- X, ladeado por florões, e a data 1738 . Legenda-PORTVGALIAE . ET . ALGARBIORVM . REX .

As moedas em cobre do reinado de D. João V foram cunhadas em grandes quantidades e as mesmas serviam para circulação em Portugal e Angola . Foi o 25º rei de Portugal, tendo o seu reinado durado quase meio século(1706-1750) . O nome do rei está ligado ao Aqueduto das Águas Livres, para permanente abastecimento de água em Lisboa . Foi também responsável pela construção do Real Convento de Mafra( Palácio Nacional de Mafra). D. João veio a falecer a 31 de Julho de 1750- jaz no Panteão dos Braganças, ao lado de sua esposa, no mosteiro de S. Vicente de Fora em Lisboa .
Uma moeda, agora com 273 anos !

1 comentário:

Shine & Glamure disse...

isso e uma reliquia deviam-na entregar num museu ou assim para poder ser estudada melhor.

aposto que muitas pessoas interessadas iriam querer visitar a aldeia.