“Eu amo Trás-os-Montes naquele silêncio das florestas e das estradas afastadas que aguardam ora a neve, ora o pavor do Verão. Amo-o ainda mais quando vejo a cor da terra e a sombra dos seus castelos em ruínas, quando suspeito o fundo dos rios, os recantos junto dos açudes e a altura das árvores. E perco-me desse mal de paixão, quando, de longe, Trás-os-Montes se assemelha vagamente a uma terra prometida aos seus filhos mais distantes, ou mais expulsos, ou mais ignorados, ou mais mortos apenas. E amam-se aquelas árvores porque vêm do interior da terra, justamente, sem invocar a sua antiguidade ou a sua grandiosidade. Ama-se o frio, até, o esplendor das geadas sobre os lameiros, o sabor da comida que nunca perdeu a intensidade nem a razão. E amam-se os rios, os areais, os poços das hortas, as cancelas de madeira que vão perdendo a cor, e talvez se amem o fogo das lareiras, os ramos mais altos dos freixos e das cerejeiras, os jardins abonecados das suas cidades, o granito das casas, o cheiro das aldeias onde ao fim da tarde se chama paz ao silêncio e se dá nome de chuva à água do céu.”
Francisco José Viegas

quarta-feira, 9 de março de 2011

Carnaval de 2011

Neste dia de Carnaval ainda faltava um par de horas para que o dia acordasse, quando fui à aldeia presenciar o último dos burros a ser roubado . Vi que o acesso à corte do animal foi muito facilitado ! Penso que seja um propósito dos donos, o que causa menos chatices de ambas as partes .
Ainda cedo, por volta das sete e meia da manhã, os animais roubados que permaneceram junto ás instalações da antiga ordenha, foram levados para casa do Bino, lugar de partida quando se vai correr o home .
Enquanto os corredores do home esperavam pela charrete, o bino, num ápice "junguiu" o animal que levaria o home e a mulher . Como sabemos, este simpático casal , uma vez por ano, percorre as principais artérias da aldeia, visitando todos os bairros .
" Oh hooooooome ! Deixaste morrer a tua mulher à fome, mata uma pita haber s´indá come ! Ohhhh hooooooome ! "
Enquanto a caravana passa, as pessoas vão-se chegando mais perto para ver o casal perfeito que não vêem há um ano . Miúdos e graúdos, todos eles gostam de ver esta tradição que se perde no tempo e que vai passando de geração em geração .
Queria lembrar que o dia amanheceu com o céu limpo, mas o frio e o forte vento foram uma presença incomodativa para os mais aventureiros !
Já na parte da tarde, junto ao café fidalgo, os mais novos não passavam despercebidos perante a minha presença .
Ninguém é poupado, no que toca a levar com cinza e ovos !
Este ano as brincadeiras de Carnaval foram um pouco diferentes, empolgantes, no seu desenrolar ! Os mais novos foram alvo de diversos bombardeamentos pela parte dos mais crescidos ! Eles vingaram-se, formando um grupo de mais elementos, todos eles bem munidos ! A batalha foi tão rija e tão dura que às quatro da tarde ainda escorria gema pela armadura .
Este bonito grupo de fidalgos, sempre participativo em dia de entrudo, vinha bem asseado, empunhando, cada um, um utensílio .
Muitos foram os que participaram nas brincadeiras e quem não queria participar tinha bem para onde olhar .
Um grupo de meninos com bonitos disfarces entretia-se com a ajuda da sua imaginação .
Os caretos era poucos mas destemidos ! Achei o Carnaval, este ano, bastante animado, onde nos improvisos resultavam as melhores cenas !

4 comentários:

euroluso disse...

Carnaval divertido e original. Paradela parece ser uma aldeia com bastantes jovens...

Anónimo disse...

bom trabalho Paulo.Só mesmo tu para dares a conhecer a historia do carnaval dos fidalgos a kem nao pode participar ou estar presente mts parabens pelo otimo trabalhoslyfds

Anónimo disse...

um trabalho magnifico parabens

Dee disse...

Saudades da aldeia !
Aaah o carnaval teve bem fixe ! Pena qe nah tive la este ano .
Great job ! Keep making videos !