“Eu amo Trás-os-Montes naquele silêncio das florestas e das estradas afastadas que aguardam ora a neve, ora o pavor do Verão. Amo-o ainda mais quando vejo a cor da terra e a sombra dos seus castelos em ruínas, quando suspeito o fundo dos rios, os recantos junto dos açudes e a altura das árvores. E perco-me desse mal de paixão, quando, de longe, Trás-os-Montes se assemelha vagamente a uma terra prometida aos seus filhos mais distantes, ou mais expulsos, ou mais ignorados, ou mais mortos apenas. E amam-se aquelas árvores porque vêm do interior da terra, justamente, sem invocar a sua antiguidade ou a sua grandiosidade. Ama-se o frio, até, o esplendor das geadas sobre os lameiros, o sabor da comida que nunca perdeu a intensidade nem a razão. E amam-se os rios, os areais, os poços das hortas, as cancelas de madeira que vão perdendo a cor, e talvez se amem o fogo das lareiras, os ramos mais altos dos freixos e das cerejeiras, os jardins abonecados das suas cidades, o granito das casas, o cheiro das aldeias onde ao fim da tarde se chama paz ao silêncio e se dá nome de chuva à água do céu.”
Francisco José Viegas

segunda-feira, 6 de novembro de 2006

Tempo de Tortulhos



Nestes primeiros dias de Outono, ainda quentes mas com o solo húmido, aparecem os primeiros tortulhos, míscaros, sanchas ou telheiras e os roques.



Por aqui, encontram-se em geral junto dos pinhais. Sendo deliciosos, são um autêntico petisco para quem tiver o privilégio de os apanhar.



Chegados a casa, lavam-se muito bem, retiram-se os pés e há quem os ponha a grelhar na lareira só com sal.



Pessoalmente, não gosto. Prefiro deitar azeite num tacho, um pouco de alho e cebola picados, deito os tortulhos, sal e pimenta. Deixa-se refogar com o tacho tapado até o molho estar apurado.



Arroz de tortulhos

Façam um refogado num tacho de barro com azeite e alhos esmagados.
Adicionem a cebola picada e deixe cozer suavemente até a cebola estar macia. Juntem um pouco de chouriço de carne cortado em cubos muito pequenos. Deixem alourar tudo. Juntem o arroz e os tortulhos e mexa para o arroz absorver a gordura. Regue com a água a ferver e adicionem um pouco de ervas aromáticas, pimenta e sal. Deixem cozer.

2 comentários:

cesar disse...

E que dizer de um frango ou coelho (dos criados em casa) num bom refugado com os tortulhos acompanhado com batatas cozidas, arrors, massas...
Saudacoes fidalgas para todos, e nao tenham vergonha de fazer deste blog o nosso ponto de encontro, porque para quem esta fora isto e um pedacinho da nossa terra que podemos visitar todos os dias.

ate breve...

Virginie disse...

Realmente não há nada como a nossa terrinha!!!Principalmente quando passamos a semana toda num fim de mundo como Mogadouro!!!Bjs