“Eu amo Trás-os-Montes naquele silêncio das florestas e das estradas afastadas que aguardam ora a neve, ora o pavor do Verão. Amo-o ainda mais quando vejo a cor da terra e a sombra dos seus castelos em ruínas, quando suspeito o fundo dos rios, os recantos junto dos açudes e a altura das árvores. E perco-me desse mal de paixão, quando, de longe, Trás-os-Montes se assemelha vagamente a uma terra prometida aos seus filhos mais distantes, ou mais expulsos, ou mais ignorados, ou mais mortos apenas. E amam-se aquelas árvores porque vêm do interior da terra, justamente, sem invocar a sua antiguidade ou a sua grandiosidade. Ama-se o frio, até, o esplendor das geadas sobre os lameiros, o sabor da comida que nunca perdeu a intensidade nem a razão. E amam-se os rios, os areais, os poços das hortas, as cancelas de madeira que vão perdendo a cor, e talvez se amem o fogo das lareiras, os ramos mais altos dos freixos e das cerejeiras, os jardins abonecados das suas cidades, o granito das casas, o cheiro das aldeias onde ao fim da tarde se chama paz ao silêncio e se dá nome de chuva à água do céu.”
Francisco José Viegas

quinta-feira, 26 de abril de 2007

Código de Postura Municipal



Parece que o Novo Código de Postura Municipal já fez a primeira vítima em Paradela. De acordo com a noticia recebida hoje e de fonte fidedigna, à cerca de duas semanas, estava uma senhora a queimar o lixo na rua quando foi abordada por dois fiscais da Câmara Municipal de Chaves. Quando estes lhe solicitaram a identificação, a dita senhora respondeu-lhe que a fossem buscar debaixo do rabo da vaca…
Resultado... foi multado em 500 euros…

4 comentários:

Andreia disse...

essa senhora com a idade que tem já podia ter educação... mas bem, e bom que essas coisas aconteçam, que é para as pessoas aprenderem de uma vez que não se brinca com coisas sérias, afinal de conta temos que preservar o nosso planeta, e quanto mais tarde as pessoas se derem conta pior é, não para nós para quem sabe para os nossos filhos ou netos...saudações fidalgos

celestino disse...

Pois é, as multas são dolorosas mas, serão porventura a única forma de alguns dos nossos concidadãos perceberem que as nossa aldeias têm de se mostrar limpas e salubres a quem as demandar em visita como se da sala de nossa casa se tratasse quando recebemos quem quer que seja.
Infelizmente, o nosso povo só acata as ordens de bom grado se for reprimido. Oxalá este caso sirva de exemplo. Paradela merece que os seus filhos a tratem com o carinho que que qualquer mãe requer.
Saudações de MOnforte.

Márcio Santos disse...

Paradela no seu melhor! Ou será no seu pior! Agradeço que os fiscais visitem mais vezes a nossa freguesia, acredito que a colheita seria rentável! Tudo pelo bem da nossa aldeia!

ProfValbom disse...

É pena que seja necessário recorrer às multas para fazer cumprir algo que deveria ser uma obrigação de todos.
Os espaços públicos são a primeira impressão de quem lá habita e é a primeira impressão que fica, de que os visita.
Este problema, infelizmente é comum a muitas das nossas cidades, vilas e aldeias, mas compete a cada um preservar o que é Nosso.
Se cada um fizer um pequeno "esforço" o resultado final será um espaço mais agradável e digno para TODOS (residentes e visitantes).
Valdanta merece.