“Eu amo Trás-os-Montes naquele silêncio das florestas e das estradas afastadas que aguardam ora a neve, ora o pavor do Verão. Amo-o ainda mais quando vejo a cor da terra e a sombra dos seus castelos em ruínas, quando suspeito o fundo dos rios, os recantos junto dos açudes e a altura das árvores. E perco-me desse mal de paixão, quando, de longe, Trás-os-Montes se assemelha vagamente a uma terra prometida aos seus filhos mais distantes, ou mais expulsos, ou mais ignorados, ou mais mortos apenas. E amam-se aquelas árvores porque vêm do interior da terra, justamente, sem invocar a sua antiguidade ou a sua grandiosidade. Ama-se o frio, até, o esplendor das geadas sobre os lameiros, o sabor da comida que nunca perdeu a intensidade nem a razão. E amam-se os rios, os areais, os poços das hortas, as cancelas de madeira que vão perdendo a cor, e talvez se amem o fogo das lareiras, os ramos mais altos dos freixos e das cerejeiras, os jardins abonecados das suas cidades, o granito das casas, o cheiro das aldeias onde ao fim da tarde se chama paz ao silêncio e se dá nome de chuva à água do céu.”
Francisco José Viegas

segunda-feira, 27 de julho de 2009

Fidalgos de Milford em Festa

O Steven Ramos, filho do José Fernando e da Alzira, enviou-me estas fotos do Piquenique Anual do Clube Português, realizado nos dias 18 e 19 de Julho, em Milford, Massachusetts EUA.










Como as fotos documentam, onde há Fidalgos existe sempre festa e boa disposição. Como não podia deixar de ser, houve muita animação, não faltando a musica "tuga", o bom vinho, as sardinas e as febras.

2 comentários:

Susana disse...

Em qualquer canto do mundo é possível encontrarmos a nossa cultura e boa disposição, bem à maneira portuguesa!

Desafio os senhores "fidalgos",contribuidores deste blogue a participarem na próxima blogagem colectiva "Festas e tradições" a decorrer em Agosto de 10 a 31. É um boa oportunidade para partilharem connosco as vossas festas e tradições únicas da vossa terra, e quem sabe, ainda ganham visitantes para as conhecer.

Para participar, basta enviar, até dia 8 de Agosto, um e-mail com um texto original( Máx 25 linhas) e uma fotografia para : aminhaldeia@sapo.pt

Conto com vocês!

Anónimo disse...

É gratificante ver e sentir que aqueles que deixaram a sua terra à procura de melhor vida não esquecem as origens e representam orgulho nas suas origens e tradições, por vezes este espírito perde-se, nomeadamente nas gerações seguintes, jovens que apesar de terem "o mundo aos seus pés" demonstram profunda ignorância acerca da distante terra que viu os pais nascer, menosprezando-a, chamando-lhe fim de mundo, fim de mundo? Lamento dizer-lhes mas foi mesmo aqui que o mundo deles começou!
Abram os horizontes.